Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Mia Couto’ Category

“não acredita como me cansava aquela sala, como me fatigavam os visitantes que não paravam de chegar, fingindo tristezas. onde estavam quando eu ainda era todo vivo e careci de amparo? por que se juntaram agora, em mostruário de choros e rezas? não lhe parecia muito meio para pouco fim? eu lhe respondo: o medo. é por isso que vieram. tinham medo não da morte, mas do morto que eu agora sou. (…) esses que me velavam sofriam de um engano: aquele, em cima do lençol, se parecia comigo. mas não era eu. o morto era outro, em outro fim de vida. eu apenas estou usando a morte para viver”.

Mia Couto, em Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra

Anúncios

Read Full Post »

“o caçador lança fogo no capim por onde vai caminhando. eu faço o mesmo com o passado. o tempo para trás eu o vou matando. não quero isso atrás de mim, sei de criaturas que se alojam lá, nos tempos já revirados”.

Mia Couto, em Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra

Read Full Post »

leito da vida

“há um rio que nasce dentro de nós, corre por dentro da casa e desagua não no mar, mas na terra. esse rio uns chamam de vida”.

Mia Couto, em Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra

Read Full Post »

“não há quente como o da boca. não há incêndio que chegue à febre dos corpos se amando”.

Mia Couto, em Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra

Read Full Post »

liberdade da asa

“pega na gaiola e lança-a no ar. a gaiola de desfigura, ante o meu espanto, e se vai convertendo em pássaro. já toda ave, ela reganha os céus e se extingue”.

Mia Couto, em Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra

Read Full Post »

casa viva

“- não esqueças de regar a casa quando sair.
a casa tinha reconquistado raízes. fazia sentido, agora, aliviá-las das securas”.

Mia Couto, em Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra

Read Full Post »

tempo dos homens

“conversamos ninharias, apenas para o tempo nos dar importância. (…) mas eu deveria entender: ele nunca tinha vivido. a cidade era um território dos outros que ele muito invejava. e que lhe dava a suspeita que o tempo era um barco que partia sempre sem ele”.

Mia Couto, em Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra

Read Full Post »

Older Posts »