Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Morro dos ventos uivantes’ Category

“um fim absurdo para meus violentos esforços! tomo alavancas e picaretas para demolir as duas casas, exercito-me em tornar-me capaz dum trabalho de Hércules, e, quando tudo está pronto e em meu poder, percebo que a vontade de erguer uma única telha de cada um dos telhados desapareceu! meus velhos inimigos não conseguiram derrotar-me. chegou o momento preciso de vingar-me em seus representantes. poderia fazê-lo e ninguém me poderia impedir. mas para quê? não me interessa ferir: já não tenho forças para levantar a mão! Dir-se-ia que só trabalhei durante todo esse tempo para terminar fazendo um belo gesto de magnanimidade. talvez não seja esse o caso. o que perdi foi a faculdade de gozar da destruição deles e sinto-me por demais preguiçoso para destruir sem motivo”.

Sr. Heathcliff, personagem de
Emily Brönte em O Morro dos Ventos Uivantes

Read Full Post »

“mas sinto-me melhor por ter um gênio melhor, que me faz perdoar-lhe. e demais, eu sei que ele me ama e, por esta razão, eu também o amo. Sr. Heathcliff, o senhor não tem ninguém que o ame. e, por mais miseráveis que o senhor nos torne, teremos sempre a compensação de pensar que a sua crueldade provém de sua miséria, que é ainda maior. o senhor é um mísero, não é? ninguém o ama… ninguém chorará pelo senhor quando morrer! oh! não quereria nunca estar em seu lugar!”

Catherine Earnshaw, personagem de
Emily Brönte em O Morro dos Ventos Uivantes

Read Full Post »

” Meus maiores sofrimentos neste mundo têm sido os sofrimentos de Heathcliff; fui testemunha deles e senti-os todos, desde o começo. Meu maior cuidado na vida é ele. Se tudo desaparecesse e ele ficasse, eu continuaria a existir. E se tudo o mais ficasse, e ele fosse aniquilado, eu ficaria só em um mundo estranho, incapaz de ter parte dele. Meu amor por Linton é como a folhagem da mata: o tempo há de mudá-lo como o inverno muda as árvores, isso eu sei muito bem. E o meu amor por Heathcliff é como as rochas eternas que ficam debaixo do chão; uma fonte de felicidade quase invisível, mas necessária. Nelly, eu sou Heathcliff. Sempre, sempre o tenho no meu pensamento. Não é como um prazer – porque eu também não sou um prazer para mim própria -, mas como o meu próprio ser. Portanto, não fale mais em separação: é impraticável”.

Catherine Earnshaw, personagem de
Emily Brönte em O Morro dos Ventos Uivantes

Read Full Post »

“gostaria de reter-te até que ambos morressemos! que me importaria o que sofresses? não dou importância a teus sofrimentos. e por que não sofrerias? eu sofro! esquecer-me-às? serás feliz quando eu estiver debaixo da terra? poderás dizer, daqui a vinte anos: ´este túmulo é de Catarina Earnshaw. amei-a faz muito tempo, e fui bem infeliz quando a perdi. mas já passou. amei muitas outras depois disso. meus filhos me são mais caros do que ela e, quando eu morrer, não me alegrarei por ter de ir ao seu encontro. ficarei triste por ter de abandoná-los!´ não é isto que haverás de dizer, Heatchcliff?”

Emily Bronte, em O morro dos ventos uivantes

Read Full Post »

“o que me faz mais sofrer, afinal, é esta prisão frágil. estou cansada de ficar presa aqui. tarda-me fugir para aquele outro mundo glorioso e lá ficar para sempre; tarda-me ter de vê-lo vagamente através de minhas lágrimas, suspirar por ele por trás das muralhas dum coração cheio de dor, em vez de esrar realmente nele e com ele. Nelly, tu pensar que és mais feliz do que eu e que tens mais saúde. estás em plena saúde e em pleno vigor! tens pena de mim… mas em breve tudo isso mudará. eu é que terei pena de ti. estarei incomparavelmente além e acima de vocês todos. admiro-me de que Heathcliff não queria estar perto de mim!”

Emily Bronte, em O morro dos ventos uivantes

Read Full Post »

“e eu rezo uma oração… hei de repeti-la até que minha língua se entorpeça… Catarina, possas tu não encontrar sossego enquanto eu tiver vida! dizer que te matei, persegue-me então! a vítima persegue seus matadores, creio eu. sei que fanstamas têm vagado pela terra. fica sempre comigo… encarna-te em qualquer forma… torna-me louco! só não quero que me deixes neste abismo, onde não te posso encontrar! oh Deus! é inexprimível! não posso viver sem a minha vida! não posso viver sem a minha alma!”

Emily Bronte, em O morro dos ventos uivantes

Read Full Post »

“agora estou cansada de aturar e sentir-me-ia feliz se achasse um meio de vingar-me, contato que não recaísse a culpa sobre mim. mas a traição e a violência são lanças de duas pontas. ferem os que a elas recorrem mais gravemente do que a seus inimigos”.

Emily Bronte, em O morro dos ventos uivantes

Read Full Post »